Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Tudo por Amor | Jodi Picoult

por Daniela, em 17.07.18

IMG_20180717_173806.jpg

 

 

Esta foi a última leitura do projeto Um Ano com a Jodi.

Nina Frost trabalha como delegada adjunta do Ministério Público e tenta a todo o custo que seja feita a justiça que os seus clientes merecem. Mas as lacunas do sistema são demasiadas e é extremamente difícil manter os criminosos atrás das grades.

Nathaniel é um menino de cinco anos que perde a fala de repente. Os seus pais, ao tentarem que volte a falar, aprendem juntamente com ele a linguagem gestual, mas não estão preparados para aquilo que descobrem. Destroçados, vão continuando uma vida que mudou completamente, à medida que o ambiente familiar tão normal que tinham começa a desmoronar.

Picoult aborda neste livro mais um tema forte e duro, a pedofilia. Temos vários pontos de vista, mas ninguém consegue ficar indiferente ao de uma criança inocente que se vê numa situação terrível, envolta em medo e dor e sem meios para se defender.

É difícil de digerir, acredito que ainda mais para quem tem filhos, mas é ao mesmo tempo uma leitura bastante fluida.

No final as coincidências são muitas, as horas de tribunal também e encontramos tudo aquilo a que a Jodi já nos habituou. Mas posso dizer que no geral gostei, a história cativou-me e o final surpreendeu-me.

Realmente, os bons pais fazem tudo aquilo que está ao seu alcance para proteger os seus filhos, mesmo que isso implique quebrar algumas regras.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_20180607_184528_1.jpg

  

 

Patrick Süskind é um escritor e roteirista de televisão alemão, hoje com 69 anos. Confesso que não conheço muito da obra dele, no entanto já publicou alguns livros, nomeadamente A História do Senhor Sommer.

 

O Perfume foi inicialmente publicado no jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, um capítulo de cada vez, e teve tanto sucesso que no final desse ano, 1985, foi transformado num livro.

 

Como pano de fundo temos inicialmente a cidade de Paris do século XVIII, que nos traz a história de Jean Baptiste Grenouille, um jovem que nasceu atrás de uma banca de peixe, possuidor de duas características muito peculiares. Tem um olfato extremamente apurado que lhe permite, por exemplo, saber todos os constituíntes de um perfume ou distinguir algo ou alguém a quilómetros de distância. Orienta-se apenas pelos cheiros, sem precisar de qualquer tipo de luz. Além disso, ele próprio não possui qualquer cheiro ou odor, o que lhe permite facilmente passar despercebido entre pessoas e animais.

 

Além de Paris, visitamos ainda Auvergne, Montpellier e Grasse, tudo locais onde o nosso protagonista aprende mais qualquer coisa.

 

A leitura deste livro não foi bem aquilo que estava à espera. Li um romance, quando estava à espera de uma história com mais suspense e arrepios, com mais pormenores gráficos e descrições detalhadas. As partes onde supostamente existe mais ação foram passadas à frente, agrupadas em poucos parágrafos. É apenas a história dele, o que sente, o que quer ou o que cheira. Não quero com isto dizer que o livro seja mau, apenas que não era o que esperava.

 

O final surpreendeu-me, não estava à espera que acontecesse desta forma. Os crimes e a hipocrisia da Paris daquela altura ressaltam à vista num final que não vi de todo a chegar.

 

 

Apesar de Süskind não ser fã de adaptações, este livro foi transformado em filme por Tom Tykwer, em 2006. Com 7,5 pontos no IMDb, a adaptação está bastante fiel ao livro, apesar de existirem algumas diferenças.

 

Alan Rickman aparece num papel importante. O ator principal, a representar Grenouille, é Ben Whishaw. No geral, foi um trabalho bem feito, embora também tenha encontrado algumas partes que achei mais arrastadas.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mataram a Cotovia | Harper Lee

por Daniela, em 05.06.18

 

"Coragem é sabermos que estamos vencidos à partida, mas recomeçar na mesma e avançar incondicionalmente até ao fim. Raramente se ganha, mas às vezes conseguimos."

 

Mataram a Cotovia.jpg

 

 

Harper Lee nasceu no Alabama em 1926. Leitora precoce, foi vizinha e amiga de Truman Capote. Completou a obra Mataram a Cotovia no verão de 1959, tendo esta sido publicada em Julho de 1960. Teve muito sucesso na altura e ganhou a aclamação do público, tendo ainda ganho o prémio Pulitzer de ficção em 1961.

 

Comprei este livro na Feira do Livro de Lisboa, em 2016, e inseri-o agora em Abril no Livros no Ecrã. Tem como pano de fundo Maycomb, uma pequena cidade fictícia situada no Alabama, e passa-se nos anos 30.

 

A história é narrada do ponto de vista de uma menina de seis anos, Jean Louise Finch, a quem todos chama Scout. Ao longo da narrativa vai-nos dando a sua visão do mundo onde vive e das pessoas que se cruzam no seu caminho, comentando com inocência todos os seus passos.

 

E haverá alguma forma melhor de conhecer uma sociedade se não pelos olhos de uma criança?

 

Atticus Finch, pai de Scout e do seu irmão Jem, educou-os da forma liberal que conseguiu. Advogado, honesto, sem medos e defensor dos oprimidos, vai dando mostras aos filhos do herói moral que é.

 

A sua decisão de defender um homem negro acusado de violar uma mulher branca acaba por alterar as visões e perceções que os pequenos têm, acabando por marcar o início do fim da sua inocência.

 

Sem desvendar mais nada, acrescento apenas que este livro e estas personagens nos mostram o lado mais sombrio da humanidade, pontuado pelo racismo, pela discriminação e pelo apartar a apontar o dedo a outra pessoa só porque é diferente.

 

"E a única coisa que se sobrepõe à regra da maioria é a consciência." 

 

A escrita é simples, cheia de vivacidade e humor em situações mais sérias. Li que a autora escreveu este livro com base nas suas próprias experiências e acontecimentos enquanto criança.

 

 

Vi o filme, muito velhinho, de 1962. Com roteiro adaptado por Harton Foote e dirigido por Robert Mulligan. As personagens estão muito bem construídas, o filme não me desiludiu. É bastante fiel ao livro, quer nas personagens quer na história em si. 

 

Foi premiado com três óscares, o que por si só já lhe dá grande valor. Argumento adaptado, Direção artística e Melhor Ator, este último concedido a Gregory Peck pela sua maravilhosa interpretação do querido Atticus.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

Frankenstein | Mary Shelley

por Daniela, em 25.04.18

IMG_20180502_182405_HHT.jpg

 

 

"Porque se vangloriará o Homem de possuir uma sensabilidade superior à aparentada pelos irracionais?"

 

Inseri este livro numa série de projetos. Foi o escolhido para o Clube dos Clássicos Vivos, para ler em Março e Abril. Comecei a lê-lo em Março, no âmbito do Março Feminino. Faz parte da lista do projeto 101 Livros de Fantasia e Ficção Científica. Por fim, em Abril, inseri-o no meu projeto Livros no Ecrã.

 

Foi publicado em 1818, pela escritora, dramaturga, biógrafa e ensaísta Mary Shelley, e completa agora duzentos anos. Nascida em Londres em 1797, Mary Shelley ficou conhecida exatamente por este seu romance, Frankenstein ou O Moderno Prometeu. Filha de um filósofo e de uma das fundadoras do feminismo, Shelley acabou por falecer aos 53 anos, em 1851, do que se suspeita ter sido um tumor cerebral.

 

Considerada a primeira obra de ficção científica da história, Frankenstein foi inicialmente criado como um conto, depois de várias horas de conversa à lareira, onde quatro amigos combinaram escrever um conto fantástico cada um. Mary Shelley foi a única que concluiu o seu conto, tendo este sido posteriormente tornado num romance.

 

Contrariamente ao que é normalmente assumido, o mostro que encontramos neste livro não lhe dá o título, aliás a este em sequer lhe é dado qualquer nome.

 

Este livro relata a história de Victor Frankenstein, um jovem curioso com um desejo ansioso de aprender, estudante de filosofia natural. Frankenstein sonha alto e deseja conseguir criar aquilo que ainda ninguém teve coragem de criar.

 

Gostei bastante deste livro, apesar de ter adiado a sua leitura com medo que se tornasse aborrecido. Começa por ser contada uma história através de uma série de cartas, mas nunca o considerei chato, queria sempre continuar a ler mais.

 

É um romance atual, que nos mostra que até a ciência tem certos limites que não devem ser ultrapassados. Estes limites do conhecimento, a necessidade que o Homem tem de se libertar das correntes da ignorância, os testes e experiências que nem sempre correm bem, a solidão e as formas de lidar com o fracasso são os principais temas que Shelley abordou na sua obra.

 

"Acredita-me Frankenstein, eu era bom, a minha alma transbordava amor e humanidade. Mas não estou só, desgraçadamente só?"

 

 

Sobre a adaptação

 

Vi o filme de 1994, li em vários sítios que é o mais fiel ao livro. Dirigido por Kenneth Branagh e estrelado pelo próprio Branagh, juntamente com atores como Helen Bonham Carter e Robert de Niro nos papéis principais.

 

Apesar de considerado o mais fiel ao livro, as diferenças ainda são algumas e enormes. No entanto, a alma do livro está lá, o filme capta muito bem a sua essência.

 

O início é bastante aborrecido e demora até chegar "ao que interessa". Minutos a mais desperdiçados no que nem conta assim tanto para a história e poderia ter passado mais depressa. Dá a sensação de ser muito pouco real para que possa ser levado a sério.

 

É o filme de um homem ambicioso que tinha uma grande obsessão. O processo de criação do monstro é muito mais explorado no filme, no livro não temos grande informação quanto a este aspeto.

 

As cenas que gostei mais foram aquelas onde entrava o monstro, Robert de Niro fez um bom trabalho.

 

Apesar de ser um filme de horror, não o vejam a pensar em sustos e momentos de grande suspense. Tem os seus elementos de horror, mas é muito mais dramático que outra coisa.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_20180420_214133.jpg

 

 

Agatha Christie é uma autora que dispensa apresentações. Com mais de oitenta livros publicados, a escritora destacou-se bastante no romance policial, acabando por ser apelidada de "A Rainha do Crime".

 

Já li alguns livros dela e espero ler ainda mais. Este, embora não seja o melhor que já li, é muito bom. Curiosamente, é o primeiro livro que leio com as personagens Hercule Poirot e o seu companheiro Arthur Hastings.

 

Uma jovem mulher, propietária da extravagante casa do fundo, quase morre tragicamente várias vezes seguidas.

 

A Poirot nada lhe escapa e, apesar de mademoiselle Nick Buckley estar convicta de que se tratam apenas de acidentes, Hercule Poirot sabe que é algo mais. Alguém a está a tentar matar. O motivo não sabemos, Nick parece não ter amigos. Poirot e Hastings vão tentar protegê-la a todo o custo, enquanto procuram pelo suposto assassino.

 

Como sempre, atirei para todo o lado e falhei cada tiro. O que descobrimos no final não é nada do que esperava. Com a Agatha Christie é sempre assim.

 

O livro lê-se muito bem, e o querer saber o que vai acontecer leva-nos a ler ainda mais.

 

Poirot é uma personagem peculiar, extremamente extravagante e nada modesto. As suas células cinzentas são o seu trunfo e usa-as como resposta para tudo.

 

Hastngs é mais humano e, como nós leitores, também não acerta uma. É ele o narrador da história e, apesar dos seus tiros ao lado, ajuda Poirot a tirar as suas variadas conclusões.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mulherzinhas | Louisa May Alcott

por Daniela, em 08.04.18

IMG_20180408_192116.jpg

 

 

Louisa May Alcott foi uma escritora norte-americana, que se inspirou em muitas das suas experiências pessoais para escrever os seus romances de, principalmente, literatura juvenil.

 

Em Mulherzinhas, pensa-se que a sua pequena personagem Jo foi baseada em si própria.

 

Este era um clássico juvenil no qual tinha interesse há já algum tempo. Não sabia nada da história, nunca tinha lido nem visto nada sobre este romance que tantas adaptações teve.

 

Traz-nos a história de quatro irmãs: Meg, Jo, Beth e Amy; numa época difícil das suas vidas, após verem o pai partir para a guerra civil americana.

 

Cada capítulo nos conta uma das peripécias destas irmãs, que não são perfeitas e que ainda estão a crescer. Cada uma é diferente das outras e cada uma tem os seus defeitos. À medida que crescem, vão aprendendo e ensinando ao leitor diversas lições de moral e atitude.

 

É um livro simples, com uma escrita acessível a qualquer um e com um bom ritmo de leitura, sem partes chatas ou aborrecidas.

 

Tenho muita pena de não ter lido este livro durante a minha adolescência. São várias as mensagens importantes passadas, sejam de amor, amizade ou cumplicidade.

 

A minha personagem preferida é sem qualquer dúvida a Jo.

 

O final é um pouco abrupto, de certo muito mais nos será contado na sua continuação, em Boas Esposas.

 

Deixo-vos alguns dos excertos que mais gostei.

 

"Gosto de palavras fortes e com significado."

 

"Há muitas Beths neste mundo, tímidas e sossegadas os seus cantos à espera que alguém precise delas e as chame, a viver tão alegremente em prol dos outros que ninguém se apercebe dos sacrifícios que fazem até que, um dia, o pequeno grilo deixa de cantar e a sua presença doce e radiante desaparece, deixando para trás apenas sombras e silêncio."

 

"Nunca desistas de tentar e nunca acredites que é impossível vencer os teus defeitos."

 

"O dinheiro é útil e precioso, e quando devidamente utilizado até é nobre, mas não quero que pensem que é o principal, u o único, prémio pelo qual se deve lutar. Prefiro vê-las casadas com homens pobres, mas amadas, felizes e satisfeitas, do que rainhas nos seus tronos, mas sem paz ou amor-próprio."

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gorda | Isabela Figueiredo

por Daniela, em 30.03.18

A Gorda.jpg

 

 

A Gorda é o primeiro romance de Isabel Figueiredo. Ganhou em 2017, com este livro, o Prémio Literário Urbano Tavares Rodrigues.

 

Nascida em Lourenço Marques, Moçambique, atual Maputo, rumou a Portugal aquando da independência do seu país, em 1975, integrando o grupo de retornados do país. É professora de Português.

 

Disse nesta entrevista que fez uma gastrectomia há alguns anos. Que vestia o 54 e só conseguia encontrar roupa que lhe servisse na C&A. Teve um namorado que acabou a relação porque o seu "aspeto não era adequado". Teve um amor fortíssimo que a rejeitou devido à aparência, deixando-a psicologicamente afetada.

 

Neste livro, a autora começa por nos dizer que "Todas as personagens, geografias e situações descritas nesta narrativa são mera ficção e pura realidade".

 

Poderemos assumir que se trata de um livro autobiográfico?

 

Deparamo-nos com três excertos antes de começar a narrativa. As vozes de Mary Shelley, Javier Cercas e Henry David Thoreau trazem-nos frases de solidão e falta de amor.

 

Conhecemos Maria Luísa. Vive na Cova da Piedade, em Almada. Filha de pais retornados. Estuda Letras e Filosofia e apaixona-se loucamente. Maria Luísa é a gorda, mas é também uma mulher feita de fibra.

 

Este livro reflete os sentimentos e frustrações de uma mulher que não quer saber o que pensam da comida, quer é comer. Reflete a sociedade onde vivemos, que coloca as pessoas por categorias e as rotula.

 

A temática é pesada e contada do ponto de vista de quem sofre com ela, tornando o livro um tanto ou quanto depressivo. A escrita é simples e sem meias medidas.

 

Gostava que a personagem principal estivesse melhor construída. Algumas falhas não me deixaram compreendê-la completamente. Queria saber mais sobre ela, entender o motivo de certas decisões.

 

Talvez seja mesmo a história de Isabela Figueiredo ou talvez não. É certamente a história de muitas mulheres. Infelizmente. Continuará a ser, enquanto existirem pessoas que não aceitam os outros como são, que os excluem e lhes põem um rótulo na testa.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_20180330_223832.jpg

 

 

Margaret Atwood é uma escritora canadense reconhecida com vários prémios literários. A História de uma Serva, The Handmaid's Tale no original, recebeu o prémio Arthur C. Clarke Award em 1987, dois anos após o seu lançamento. Foi ainda nomeado para outros dois prémios de ficção científica. Apesar disso, a autora não considera este um livro de ficção científica, mas de ficção especulativa, uma vez que a ficção científica é algo que ainda não pode acontecer.

 

Este livro retrata um mundo distópico onde as mulheres são categorizadas, sendo as férteis chamadas Servas. O seu trabalho é conceber filhos para os Comandantes e as Esposas inférteis daquele país. Gileade é o nome deste nome país, situado na antiga América, conquistado por extremistas cristãos da direita.

 

Traz consigo um teor muito político, onde as mulheres e os homens ocupam posições muito distantes. As mulheres voltam a ser muito controladas, sendo-lhes restringidas várias coisas que antes tinham como certas. Não podem ter acesso a nada que lhes estimule o pensamento. De que outra forma aceitariam sem questionar a sorte que lhes calhou?

 

"Vivíamos, como de costume, ignorando. Ignorar não é o mesmo que ignorância, exige esforço da nossa parte."

 

"Passado o primeiro choque, depois de uma pessoa começar a aceitar, o melhor era deixar-se ficar letárgica. Podíamos dizer que estávamos a poupar forças."

 

A história é contada pela voz de Defred, uma Serva que tal como os seus direitos perdeu também o seu nome e identidade, que nos transmite todos os seus pensamentos, ideias e angústias. Como todas as Servas, veste de vermelho para ser facilmente identificada e usa uma touca branca com abas que lhe restringe muito o campo de visão.

 

"Caminhamos, sedadas. O sol está descoberto, há tufos de nuvens brancas no céu, do tipo que lembra ovelhas sem cabeça. Por causa das nossas abas, dos nossos antolhos, é difícil olhar para cima, é difícil conseguir uma visão completa do céu, seja do que for. Mas podemos fazê-lo, um pouco de cada vez, um movimento rápido da cabeça, para cima e para baixo, para o lado e para trás. Aprendemos a olhar para o mundo em arquejos."

 

A escrita da autora é cuidada e com muita atenção ao detalhe. Salta várias vezes entre o presente e o passado. Passam vários capítulos até começarmos a compreender como foi possível chegar a este ponto.

 

Quando terminamos a leitura, não encontramos um final fechado. São deixadas muitas pontas soltas num final mais aberto do que estava à espera.

 

 

Recentemente, comecei a assistir à série. As diferenças são muitas e enormes. Pegaram na ideia e criaram uma série a partir dela. Vão aparecendo vários episódios do livro, e foram acrescentando mais. Mas estou quase a terminar a primeira temporada e a gostar!

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Hipnotista | Lars Kepler

por Daniela, em 15.03.18

IMG_20180320_190351_HHT.jpg

 

 

Lars Kepler é o pseudónimo de uma dupla de escritores suecos de romances policiais, Alexander Ahndoril e Alexandra Coelho Ahndoril. O Hipnotista foi o primeiro livro que lançaram em conjunto.

 

Começamos a história quando uma família é encontrada morta em casa, existindo apenas um sobrevivente em estado grave. É transferido para o hospital, em coma.

 

Temos a personagem Erik, um médico que em tempos geriu grupos de terapia por hipnose. Tal como indica o título do livro, o nosso hipnotista é muito mais focado, no que acaba por ser uma história sobre a sua vida.

 

O assassino é desvendado numa fase muito inicial e, apesar de todos os esforços para o encontrar, a sua mente nunca é explorada. Não existe um motivo concreto nem nos é contado muito sobre ele.

 

Apesar de ser um policial, não senti muito entusiasmo ao ler este livro. Não considero que seja tão empolgante como o esperado. Estava à espera de um livro onde ficasse sempre na espetativa, com vontade de saber o que vem a seguir e de ler cada vez mais. Infelizmente, tal não aconteceu.

 

Antes deste, li dos mesmos autores o livro "A Vidente", também com o mesmo polícia Joona Lina e, apesar de ter gostado mais do que d' O Hipnotista, também não adorei.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Velho e o Mar | Ernest Hemingway

por Daniela, em 10.03.18

IMG_20180319_184319.jpg

 

 

Ernest Hemingway foi um escritor norte-americano. Ganhou o prémio Pulitzer de Ficção em 1953 e o Nobel da Literatura em 1954. Viveu de 1899 a 1961, altura em que acabou por cometer suicídio.

 

Escrito em Cuba, O Velho e o Mar foi uma das últimas obras do escritor publicadas em vida e é provavelmente a mais conhecida. 

 

Conta a história do velho Santiago, um pescador que atravessa uma maré de azar, estando há 85 dias sem encontrar um único peixe. Com a ajuda de um jovem amigo, nunca desiste e continua a levantar-se cedo para ir para o mar.

 

É o segundo livro que leio do escritor, li no ano passado Paris é uma Festa. Tal como o primeiro, este voltou a não me conquistar completamente.

 

A escrita é simples e sem floreados, lê-se bem.

 

Compreendo a mensagem transmitida e a intensão de mostrar as capacidades do homem para atravessar as diversas fases da vida.

 

No entanto, tive a sensação que a leitura não evoluía, as páginas passavam e as palavras eram as mesmas. No final, não fiquei satisfeita. Faltou qualquer coisa.

 

"- Mas o homem não foi feito para a derrota - disse. - Um homem pode ser destruído, mas não derrotado."

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.