Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


IMG_20180330_223832.jpg

 

 

Margaret Atwood é uma escritora canadense reconhecida com vários prémios literários. A História de uma Serva, The Handmaid's Tale no original, recebeu o prémio Arthur C. Clarke Award em 1987, dois anos após o seu lançamento. Foi ainda nomeado para outros dois prémios de ficção científica. Apesar disso, a autora não considera este um livro de ficção científica, mas de ficção especulativa, uma vez que a ficção científica é algo que ainda não pode acontecer.

 

Este livro retrata um mundo distópico onde as mulheres são categorizadas, sendo as férteis chamadas Servas. O seu trabalho é conceber filhos para os Comandantes e as Esposas inférteis daquele país. Gileade é o nome deste nome país, situado na antiga América, conquistado por extremistas cristãos da direita.

 

Traz consigo um teor muito político, onde as mulheres e os homens ocupam posições muito distantes. As mulheres voltam a ser muito controladas, sendo-lhes restringidas várias coisas que antes tinham como certas. Não podem ter acesso a nada que lhes estimule o pensamento. De que outra forma aceitariam sem questionar a sorte que lhes calhou?

 

"Vivíamos, como de costume, ignorando. Ignorar não é o mesmo que ignorância, exige esforço da nossa parte."

 

"Passado o primeiro choque, depois de uma pessoa começar a aceitar, o melhor era deixar-se ficar letárgica. Podíamos dizer que estávamos a poupar forças."

 

A história é contada pela voz de Defred, uma Serva que tal como os seus direitos perdeu também o seu nome e identidade, que nos transmite todos os seus pensamentos, ideias e angústias. Como todas as Servas, veste de vermelho para ser facilmente identificada e usa uma touca branca com abas que lhe restringe muito o campo de visão.

 

"Caminhamos, sedadas. O sol está descoberto, há tufos de nuvens brancas no céu, do tipo que lembra ovelhas sem cabeça. Por causa das nossas abas, dos nossos antolhos, é difícil olhar para cima, é difícil conseguir uma visão completa do céu, seja do que for. Mas podemos fazê-lo, um pouco de cada vez, um movimento rápido da cabeça, para cima e para baixo, para o lado e para trás. Aprendemos a olhar para o mundo em arquejos."

 

A escrita da autora é cuidada e com muita atenção ao detalhe. Salta várias vezes entre o presente e o passado. Passam vários capítulos até começarmos a compreender como foi possível chegar a este ponto.

 

Quando terminamos a leitura, não encontramos um final fechado. São deixadas muitas pontas soltas num final mais aberto do que estava à espera.

 

 

Recentemente, comecei a assistir à série. As diferenças são muitas e enormes. Pegaram na ideia e criaram uma série a partir dela. Vão aparecendo vários episódios do livro, e foram acrescentando mais. Mas estou quase a terminar a primeira temporada e a gostar!

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

DSCF3764.JPG

 

A cientista Jeannie Ferrami estuda gémeos e avalia através destes de que forma a tendência para a violência e agressão pode nascer com o indivíduo e depender da sua herança genética ou depender do meio onde são criados. Para isso, procura gémeos univitelinos (os comummente chamados de gémeos verdadeiros), mais particularmente gémeos separados à nascença.

Durante a sua investigação, depara-se com um caso singular: dois homens aparentemente gémeos univitelinos e perfeitos para a sua investigação, já que um deles se encontra preso e outro a estudar direito na universidade, são filhos de mães diferentes e nasceram em dias e hospitais diferentes. 

Será apenas um simples caso de adoção em que os pais optaram por não contar ao filho ou estará ela prestes a descobrir algo muito mais grandioso?

Este foi o meu primeiro contacto com o autor e fiquei bastante contente por conhecê-lo e por ler este livro. A sua escrita cativante e fluída, porém simples, prendeu-me desde as primeiras páginas. Quero certamente ler mais livros de Ken Follett.

São retratados vários temas ao longo do livro, cada um com a sua porção de importância para a história, que tornam a leitura muito interessante. Alzhaimer e a sua repercussão na família do doente, assédio sexual e violação, preconceito racial e social, eugenia ou corrupção no meio académico são alguns deles. O tema mais interessante e importante para a história só é referido mais perto do final, pelo que não o vou revelar para não estragar a leitura a ninguém, mas asseguro que vale a pena.

Há ainda lugar para o romance, a nossa protagonista acaba por se apaixonar por um dos gémeos inscritos para a sua investigação, no entanto esta relação é interessante de analisar e não estraga em nada o livro.

As personagens são muito bem construídas, com problemas de vida reais que formam pequenas histórias paralelas à trama principal.

Aviso-vos, não guardem as emoções para o fim, o final não é de todo a parte mais emocionante do livro nem está muito trabalhado, ou talvez esta opinião se deva ao facto de todo o livro ser igualmente bom.

A escolha do título é interessante, quem leu vai perceber, quem não leu não pode deixar de descobrir. É um livro que recomendo vivamente.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

BEDA #5: O Rouxinol, de Kristin Hannah

por Daniela, em 05.08.17

DSCF3567.JPG

 

 

 

O Rouxinol é um livro maravilhoso, que retrata a França na Segunda Guerra Mundial.

Isabelle e Vianne são irmãs. A primeira juntou-se à resistência, conspira contra a rendição da França e luta pelo regresso do país que conheceu. A segunda luta para manter a família unida enquanto espera pelo regresso do marido da guerra; e foi obrigada a receber soldados nazis debaixo do seu teto enquanto ajuda crianças judias como pode.

O pai destas duas irmãs foi um soldado na Primeira Grande Guerra que ficou marcado por tudo aquilo que presenciou, e desistiu de tomar conta das filhas quando a mulher sofreu uma morte prematura.

O ambiente vivido em França quando esta foi atacada pelas tropas alemãs após a falha da linha Maginot é muito bem descrito. Conseguimos sentir o medo da população de perto. Temos contacto com a França Livre e com a França Ocupada. Travamos uma luta interna, tal como a travaram aqueles que lá estiveram: ética vs. sobrevivência.

É várias vezes referido o nome de Edith Cavell, uma enfermeira britânica que tratava soldados sem se importar com as suas nacionalidades. Foi acusada de traição por ajudar aliados a chegar à zona neutra da Holanda e condenada à morte, mas nunca foi esquecida.

"Patriotism is not enough, I must have no hate in my heart" é uma das suas frases mais conhecidas.

Este livro é uma homenagem às sobreviventes da Segunda Guerra, que por tanto passaram. Mulheres como Vianne e mulheres como Isabelle. Mulheres que arriscaram a vida pelo seu país. Traz-nos a união de um período histórico trágico e doloroso com mulheres fortes que fazem tudo para proteger aqueles que amam e aquilo em que acreditam.

Um livro cheio de personagens marcantes e histórias de vida fortes.

Recomendo sem qualquer reserva.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

DSCF2819.JPG

 

 

Terminei de ler o primeiro livro da trilogia O Disco de Jade. É um romance histórico passado no séc. III a.C. que nos traz a história dos reinos combatentes que posteriomente formaram a China.

Esta história passa-se maioritariamente no estado de Qin, embora também sejamos levados a Chu ou ao Zhao. É um livro dividido em duas partes, sendo separadas pelos reinados de dois reis diferentes.

Foi uma leitura lenta, devido ao facto de ser talvez um livro de introdução, para conhecer-mos bem cada personagem, a história pessoal de cada um que inicialmente se isola das outras, até chegarmos ao ponto de todas as histórias e personagens fazerem sentido e estarem ligadas umas às outras.

Os costumes e os hábitos da época estão bastante presentes, a religião praticada e as práticas de adivinhação muito utilizadas naquela altura. Houve pelo menos um momento que me fez muita confusão e que mete impressão, o destino dado à aia da princesa Xia quando a sua dama morreu.

O papel dado às mulheres é bastante interessante de analisar, são elas que têm sempre a palavra final nas decisões políticas, embora estas sejam dedicadas aos homens, conseguindo sempre dar a volta e que as coisas aconteçam tal como querem, embora envolva alguma manipulação e principalmente a sedução.

O final ficou em aberto, mais haverá para descobrir nos próximos volumes, que vou deixar para daqui a algum tempo.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Conspiração, de Dan Brown

por Daniela, em 11.10.16

 

DSCF2598.JPG

 

Pontuação: 3.5*

 

Comecei este livro sem grande vontade de o fazer. Foi escolhido através do pote da minha TBR List e não era o que contava ler. As primeiras páginas foram difíceis de passar, mas após esta demora inicial fui entrando cada vez mais na história.

Um livro ao estilo de Dan Brown, cheio de aventuras, suspense e repleto de ação. Com a participação de um ambicioso senador, um presidente dos EUA, uma analista de informação, a NASA e vários cientistas civis, Brown leva-nos em busca de uma conspiração com consequências astronómicas para o planeta, que acaba por colocar todos os envolvidos num jogo mortal.

Depois de a história começar a entrar, o ritmo deste livro é alucinante e leva-nos a querer descobrir quem estará por trás desta enorme conspiração.

Quanto às personagens, penso que poderiam ter sido melhor construídas, de forma a tornar o livro mais interessante.

No geral, é um bom livro, embora para quem já leu outros livros do autor possa considerar que as diferenças de um livro para outro não são vastas.

 

Personagens preferidas: Gabrielle Ashe

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

Anjos e Demónios - Dan Brown

por Daniela, em 28.04.15

(Apenas contem revelações sobre o enredo que podem ser encontradas na sinopse)

 

anjos e demónios.jpg

 

 

 

Título: Anjos e Demónios

Autora: Dan Brown

Editora: Bertrand Editora

Edição/Reimpressão: 2009

Nº de Páginas: 588

 

 

 

 

"Uma antiga irmandade secreta

Uma devastadora arma de destruição

Um alvo inatingível"

 

Anjos e Demónios tem como protagonista Robert Langdon, que é chamado para identificar um estranho simbolo marcado a fogo num famoso cientista do CERN brutalmente assassinado. Acabam por descobrir que a marca é de uma antiga irmandade supostamente extinta há séculos e inimiga da Igreja Católica: os Illuminati.

Enquanto isso, no Vaticano decorre o conclave, quando os quatro cardeais preferidos a assumir o título de Papa desaparecem misteriosamente e a guarda suiça é informada de que uma perigosa arma desenvolvida por cientistas do CERN se encontra na cidade com o intuito de a destruir.

Como este pequeno resumo indica, o principal tema do livro é a religião e a sua "guerra" contra a ciência. O ritmo do livro é extremamente empolgante e não se consegue tirar os olhos do papel. A matemática e a física sempre presentes e ligadas na solução dos enígmas ou na interpretação dos símbolos.

Neste livro, Robert Langdon desvenda enígma atrás de enígma de forma rápida e sempre de forma a que o leitor acompanhe a linha de raciocínio. Um livro cheio de aventuras e com um final surpreendente que, pelo menos eu, não esperava.

É um livro de ação, também um pouco polémico e ainda acaba por se tornar um romance. Mais que recomendado!

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.