Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


IMG_20180130_175545.jpg

 

 

Valter Hugo Mãe é o nome artístico do escritor, editor, artista plástico, apresentador e cantor Valter Hugo Lemos. É um português nascido em Angola, na cidade de Saurimo. Já ganhou vários prémios, entre eles o de Melhor Romance do Ano, em 2012.

 

Homens Imprudentemente Poéticos é o seu último romance, publicado em 2016 pela Porto Editora. Retrata a história de uma pequena aldeia do Japão antigo e gira em torno da inimizade estabelecida entre dois vizinhos.

 

Ao escrever esta história, o autor visitou o local que mais foca ao longo das suas páginas: Aokigahara, também conhecida como a Floresta dos Suicidas. As estatísticas mostram que neste local se suicidam centenas de pessoas a cada ano, um ato que as autoridades locais tentam desencorajar mas que continua a existir, tornando a floresta no segundo local mais comum no mundo.

 

Os primeiros capítulos destinam-se à apresentação de cada uma das personagens principais. O artesão Ítaro, criador de leques, possui uma habilidade que tanto pode ser considerada conveniente como angustiante - a previsão do futuro. O oleiro Saburo, que vive com a mulher, a senhora Fuyu. A senhora Kame é a criada que já pertence à família, a figura maternal que sofre as dificuldades desta família como se fosse a sua. Matsu, a irmã de Ítaro, uma menina cega que tem uma perceção sensível do mundo e das coisas, vive no meio de sonhos e tem uma enorme gratidão pela vida. 

 

"Para Matsu as montanhas podiam fazer promontórios que se suspendessem sobre as aldeias. Braços de pedra que se levantavam entre as nuvens e sombreavam as aldeias. Explicavam-lhe que os cumes demoravam estações inteiras, podiam caminhar primaveras completas para lhes chegar ao cimo, e talvez nem chegassem, porque os homens faziam outra vida diferente da de poder voar. Mas a jovem imaginava o que ouvia segundo o seu próprio tremendismo, por isso julgava que o lugar mais alto das montanhas era uma extremidade de pedra que se alcandorava, coisa de conflituar com as nuvens e os pássaros maiores. Diferente de serem os homens voadores, ela inventava que seriam as montanhas terras capazes de pairar."

 

Ao longo do livro vamos conhecendo as razões que foram separando os dois vizinhos inimigos ao mesmo tempo que nos deparamos com temas fortes como a morte e o suicidio, o amor e a ausência dele, a perda ou o ódio.

 

É um bom livro, mas infelizmente não consegui que me enchesse as medidas. Foi o primeiro que li do autor e as opiniões que li variam bastante. Várias pessoas acham o melhor de Valter Hugo Mãe, outras acham que foi o pior. Vou ler mais livros da sua obra e formar a minha opinião. Neste livro, fico-me pelas três estrelas, espero atingir mais em leituras futuras.

 

Como curiosidade, vi numa notícia que neste livro o autor não utilizou uma única vez a palavra "não". Deixo a resposta que deu quando questionado sobre o assunto:

"A palavra Não sublinha um traço impróprio no Japão, porque difere da relação cerimoniosa que estabelecem uns com os outros. Os japoneses evitam dizer por norma Não e optam por uma expressão para essa negativa que, traduzida à letra, terá o significado de "isso é difícil". Por isso, várias vezes no romance as personagens respondem deste modo. O que é uma negativa educada, com que dão a entender ao interlocutor que o que lhe é pedido é impossível de fazer, mas sem o hostilizar."

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

The Storyteller | Jodi Picoult

por Daniela, em 24.01.18

IMG_20180130_175340.jpg

 

 

Publicado em 2013, e traduzido em Portugal para "A Contadora de Histórias", este livro traz até nós um tema muito triste: o Holocausto. Retrata algumas das muitas coisas que se passaram num campo de concentração específico e, talvez, o mais falado: Auschwitz.

 

É narrado na primeira pessoa pela voz de quatro personagens e engloba dois tempos distintos: o passado e o presente.

 

Sage é uma mulher de 25 anos, padeira de profissão e adora o que faz. Tem uma auto-estima muito baixa devido a um acidente do qual fez parte e que acabou por lhe deixar uma cicatriz na cara. É a voz do presente, do que se passa atualmente.

 

Leo fala também no presente. Trabalha no FBI e faz parte das suas funções perseguir e condenar ex-soldados nazis.

 

Josef é um nonagenário e ex-soldado das SS, que conta do seu ponto de vista como era a vida dos soldados, falando de assuntos como as seleções que eram feitas antes de lhes serem atribuídos os cargos.

 

Minka é a voz do passado, a voz dos horrores vividos antes e durante Auschwitz, uma mulher judia e uma sobrevivente do Holocausto. É também a avó de Sage.

 

"On that day I had also noticed a new sign on the restaurant. Psy i Żydzi nie pozwolone. No dogs or Jews allowed."

 

A pesquisa para este livro foi muito bem feita, os pormenores históricos são contados de forma muito real. Adorei os capítulos da personagem Minka, as partes passadas em Auschwitz, as descrições e a história que se vai desenrolando. É de ficar com o coração apertado.

 

Faz-nos refletir. É essencialmente um livro sobre perdão e sobre a nossa capacidade de perdoar os outros ou de nos perdoarmos a nós próprios. Por muito que leiamos sobre o tema, ou que assistamos a documentários, há sempre espaço para o choque e a tristeza que nos invadem ao depararmo-nos mais uma vez com este tema. Tal crueldade humana vai sempre surpreender e ser difícil, se não impossível, de compreender.

 

As histórias são várias, umas dentro das outras. A história passada no presente, algumas partes da vida da Sage ou do Leo não gostei tanto. Nem consegui simpatizar com o Leo, apesar de ter gostado da Sage. Há uma outra história da qual também gostei, que é aquela que a Minka inventa e escreve e sonha partilhar.

 

O twist final que a autora deciciu dar também não me agradou particularmente e acabou por ser um pouco previsível.

 

Talvez para primeira leitura da Jodi seja um livro de cinco estrelas, mas após várias leituras chegamos à conclusão que a fórmula não varia muito de livro para livro. Teria gostado mais se a autora se focasse mais nas memórias da Minka e do Josef.

 

Deixo um excerto do qual gostei e que partilho agora convosco:

 

"In Heaven and Hell, people sit at banquet tables filled with amazing food, but no one could bend their elbows. In Hell, everyone starves because they can't feed themselves. In Heaven, everyone's stuffed, because they don't have to bend their elbows to feed each other."

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_20180128_222313.jpg

 

 

Eça de Queirós é um dos mais importantes e conhecidos nomes da literatura portuguesa. A sua obra mais conhecida e aclamada é Os Maias, publicada em 1888.

 

Do escritor, apenas tinha lido O Crime do Padre Amaro e gostei da crítica que encontrei. A Ilustre Casa de Ramires é então o segundo livro que leio do autor e não gostei tanto. Publicada em 1900. Foi escrito de forma paralela, ou seja, existem várias histórias a decorrer ao mesmo tempo.

 

Temos por um lado a história de Gonçalo Mendes Ramires, um fidalgo pertencente a uma das linhagens mais antigas, uma família nobre e cheia de tradições, que ambiciona entrar na política e fazer carreira, passada no século XIX. À medida que vai conseguindo atingir este objetivo, vê-se envolto numa série de dúvidas acerca da sua honra e honestidade, que poderão pôr em causa tudo aquilo que a sua família sempre defendeu.

 

Por outro lado, temos uma história escrita pelo nosso protagonista Gonçalinho, acerca dos seus antepassados, passada no século XIII. O protagonista aqui é Tructesindo Ramires, um homem que procura vingança pela morte do seu filho morto em uma emboscada por um suposto amigo da família.

 

As personagens são personificações reais e adequadas à altura. Atuais, ainda nos dias de hoje.

O Gonçalinho, o fidalgo empobrecido que quer ser superior mas por outro lado mostra-se fraco e de caráter muito débil.

A Gracinha, pequenina e frágil, pele clara e cabelos negros compridos. Frágil e passiva, deixa-se seduzir facilmente.

André Cavaleiro, o Dom Juan da zona. Bem educado, de cabelos ondulados e bigodes fartos. Seduz Gracinha, já depois de casada.

As irmãs Lousadas, a personificação de duas coscuvilheiras da aldeia, como todos certamente conhecem.

"Secas, escuras e gariulas como cigarras, desde longos anos, em Oliveira, eram elas as esquadrinhadoras de todas as vidas, as espalhadoras de todas as maledicências, as tecedeiras de todas as intrigas."

 

O início do livro é bastante aborrecido, fala das conquistas dos antigos Ramires e é difícil de passar. Depois a história começa a fluir melhor. Álem destas primeiras partes, a história de Tructesindo também é difícil de passar e, no meu entender, não acrecenta grande coisa ao livro. Sempre que Gonçalo começa a narrar a história dos seus antepassados, é necessário estar muito atento à leitura para perceber a diferença, caso contrário acabamos por nos baralhar e ter de voltar atrás, como me aconteceu várias vezes.

 

Não seria a minha primeira recomendação para primeira leitura de Eça, gostei mais de O Crime do Padre Amaro. Mas para quem quer completar a obra de Eça, avancem sem medos. Já sabem, as primeiras páginas custam a passar, por isso nada de desistir.

 

Deixo algumas fotografias do encontro do Clube dos Clássicos Vivos que aconteceu em Leiria no dia 13 de Janeiro, para discutir esta obra:

20837100_wDS7I.jpeg

 

26855671_1776787412340428_1084974523_n.jpg

 

26793402_1776786165673886_405855205_n.jpg

 

26793884_1776784419007394_1435387430_n.jpg

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

1 ano 12 livros: As compras de 2017

por Daniela, em 12.01.18

No início do ano propus-me comprar apenas 12 livros. Correu bem. Em baixo, mostro-vos todos os livros que comprei e falo um bocadinho acerca de cada um deles.

 

1. O Crime do Padre Amaro, de Eça de Queirós

O primeiro livro do ano para o Clube dos Clássicos Vivos. Li-o logo em Janeiro, podem ler a minha opinião sobre ele aqui. Publicado em 1875, causou grande polémica e protestos por parte da Igreja Católica, fortemente criticada nas suas páginas. A corrupção, os jogos de aparência e a falsa fé são dos temas mais abordados por Eça neste livro. Gostei.

 

2. Paris é uma Festa, de Ernest Hermingway

A segunda compra do ano veio dois meses depois, também para o Clube dos Clássicos Vivos. Opinião aqui. Infelizmente, este livro não me deslumbrou por aí além. Gostei, não amei. Fala de Paris, memórias reais ou fictícias sobre as ruas, os cafés e as pessoas.

 

3. Tudo, tudo... e Nós, de Nicola Yoon

Este livro comprei influenciada por todo o hype que se formou à volta dele. O final vem estragar um pouco uma história que poderia ter sido maravilhosa. No entanto, li-o e gostei, como podem ler aqui. Com ele descobri uma doença da qual nunca tinha ouvido falar, a SCID ou Imunodeficiencia Combinada Grave, em que basicamente o sistema imunológico não desenvolve e uma pessoa pode criar alergias a tudo.

 

4. Breakfast at Tiffany's (A Boneca de Luxo), de Truman Capote

Mais um para o Clube dos Clássicos Vivos. Adorei a personagem Holly Golightly. A história não é muito desenvolvida, todo o livro gira apenas à volta desta personagem que marca quem a conhece. Gostei, embora no final fique aquele sabor a pouco. A minha opinião aqui.

 

5. O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway

Uma compra que fiz na Feira do Livro, em Lisboa. É um dos poucos que ainda não li. No entanto, tenho bastante curiosidade e espero ler em breve.

 

6. Pela Estrada Fora, de Jack Kerouac

Mais uma compra da Feira do Livro de Lisboa e mais um que ainda não li. Já li várias opiniões positivas acerca dele e isso despertou-me o interesse. Também espero que seja uma leitura para desfrutar em breve.

 

7. O Principezinho, de Antoine de Saint-Exupéry

Comprado também na Feira do Livro, era uma das minhas falhas literárias. Agora já não é. Li-o e gostei bastante desta história tão fofinha que tanto encanta como ensina. Opinião aqui.

 

8. Para a Minha Irmã, de Jodi Picoult

Um livro que comprei em segunda mão, para o projeto Um ano com a Jodi. É um dos mais falados da autora e decidi que devia comprá-lo. Gostei. No entanto, depois de ter lido vários outros dela, cheguei à conclusão que não é nem de perto o melhor deles. A minha opinião aqui.

 

9. O Vermelho e o Negro, de Stendhal

Mais um livro para o Clube dos Clássicos Vivos. Demorei bastante para conseguir terminá-lo, a trama tem algumas partes bastante aborrecidas que se vão alargando por diversas páginas. O final vale a pena. Opinião aqui.

 

10. Contos Completos, dos Irmãos Grimm

Este livro veio também da Feira do Livro, mas chegou cá a casa algum tempo depois. Já o comecei, no entanto irei demorar algum tempo a terminá-lo. Não sabia que as histórias eram as originais, mas isso foi uma agradável surpresa. Logo que chegou, desfolhei-o até encontrar uma história minha conhecida e li A Gata Borralheira (ou A Cinderela). Descobri que afinal não me era familiar. Opinião dos primeiros cinco contos aqui.

 

11. As Intermitências da Morte, de José Saramago

Um livro que inseri no projeto Ler os Nossos. Saramago não desilude, continuarei a apostar nele. Fala da morte e do que aconteceria se esta deixasse de existir. O tom de crítica seu característico também está sempre presente. O final é fabuloso. Falei mais sobre ele aqui.

 

E pronto. Estas foram as minhas compras ao longo do ano, portei-me muito bem. Comprei onze livros, já li oito e comecei um. Este ano não penso fazer nenhum tipo de desafio deste género. Quero continuar a comprar com consciência e tentar que sejam apenas livros que espero ler em breve.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os livros de 2017

por Daniela, em 08.01.18

Em 2017 li um total de 43 livros, um número bastante aceitável e, sem querer mentir, penso que foi um record.

Tive várias leituras muito boas, mas também tive leituras menos boas.

 

Como melhores do ano, temos:

A Rapariga que Roubava Livros, de Markus Zusak

Adorei este livro, que já estava à espera na estante há demasiado tempo. Tinha espetativas altas, mas não me desiludi. Vivi cada momento com a pequena Liesel, uma menina que ama os livros mesmo quando à sua volta se passam coisas tão terríveis. A literatura também pode ser uma terapia. Também gostei do filme.

 

O Rouxinol, de Kristin Hannah

Outro livro passado na altura da Segunda Guerra Mundial. França, na altura em que a linha Maginot falha e o país é invadido pelas tropas alemãs. Mulheres fortes. Cenas chocantes e momentos dolorosos. Um livro marcante.

 

As Intermitências da Morte, de José Saramago

Um livro carregado da ironia a que Saramago sempre nos habituou. O tema é a morte, numa altura em que esta decide desaparecer e deixar de atuar num país. As repercursões desta decisão da morte são exploradas até ao infinito. E o final é maravilhoso.

 

Dezanove Minutos, de Jodi Picoult

Um livro que marco muito pelo tema que aborda: o bullying. Identifiquei-me tanto com certas situações que este livro acabou por me marcar e ser uma das melhores leituras do ano.

 

Harry Potter e os Talismãs da Morte, de J. K. Rowling

Não apenas este, mas todos os livros da saga. Como já sabia que iria acontecer. São livros que me marcaram durante a adolescencia e me irão acompanhar para sempre. Vou reler muitas mais vezes.

 

Agora vamos às leituras menos boas:

Orlando, de Virginia Woolf

Não consegui entrar bem na história, não gostei da escrita. Estava desejosa por chegar ao fim. Não voltei a ler Virginia Woolf e não sei quando irei voltar.

 

Compaixão, de Jodi Picoult

Um livro com uma permissa muito boa, mas que não desenvolva da forma esperada. Histórias paralelas que não acrescentam nada são adicionadas, acabando por ser mais desenvolvidas que a história principal.

 

Oníria, de Joana Santos Silva

Um livro de poesia. Não encontrei a paixão nem o sentimento que espero encontrar na poesia. Não me transmitiu qualquer sentimento e ficou muito abaixo das espetativas, que já não eram elevadas.

 

Foi, no geral, um bom ano. Espero que 2018 seja ainda melhor!

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

TBR | Janeiro

por Daniela, em 04.01.18

Para Janeiro, quero ler quatro livros.

 

DSCF4060.JPG

 

A Ilustre Casa de Ramires, de Eça de Queirós

Quero terminar este livro ainda durante esta semana. Começou mal, mas agora já melhorou e estou a gostar mais.

 

A Contadora de Histórias, de Jodi Picoult

O livro escolhido para o projeto Um ano com a Jodi e que irá contar também para os projetos da Isaura e da Dora Leituras do Holocausto e Hol73.

 

Os anagramas de Varsóvia, de Richard Zimler

Mais um livro sobre o Holocausto que contará para os projetos sobre o tema. Tenho muita curiosodade neste.

 

Homens Imprudentemente Poéticos, de Válter Hugo Mãe

Tenho muita curiosidade com este autor e esta será a minha primeira leitura de livros dele. Faz parte do meu objetivo de ler um livro de um escritor português por mês.

 

E vocês, o que irão ler no primeiro mês do ano?

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Projetos para 2018

por Daniela, em 02.01.18

Para 2018 já tenho em mente alguns projetos em que participar. Vou continuar com alguns e experimentar outros.

 

365 dias com Poirot e Marple

Um projeto da Sofia do blog The Daily Miacis sobre o qual podem ler aqui. Não vou participar em todas as leitura, mas pelo menos em três delas sim. Vou atualizando tudo no blog e nas redes sociais.

#365diascompoirotemarple ou #365DCPM.

  

101 Livros de Fantasia e Ficção-Científica

Um projeto da Raquel e da Mariana, que consiste em ler livros de Fantasia e Ficção-Científica qe encontramos numa lista de 100. É também objetivo encontrar o livro 101, aquele que é tão bom que merece entrar na lista. Vídeos das meninas a explicar melhor aqui e aqui.

 

Leituras do Holocausto / Hol73

Um projeto para Janeiro que consiste em ler livros relacionados com o Holocausto. O projeto Leituras do Holocausto criado pela Isaura, vídeo aqui, e o HOL73 criado pela Dora, vídeo aqui.

#leiturasdoholocausto3 ou #Hol73.

 

Março Feminino

Criado em 2017 pela Sandra do blog Say Hello To My Books. No ano passado não participei, mas este ano se ela o voltar a fazer irei participar. Foram lidos vários livros escritos por mulheres, que podem ver aqui.

#marçofeminino

 

Livros no Ecrã

Criei este projeto em 2017 mas ainda não decidi se o volto a fazer este ano. O que acham? Participariam? Aqui mais informações.

#livrosnoecra

 

Ler os Nossos

Criado pela Cláudia nos últimos dois anos, vou continuar a participar enquanto ela o continuar a promover. Adoro, é uma ótima forma de ler mais autores portugueses e de ir conhecendo novas recomendações. Aqui a edição de 2017.

#lerosnossos

 

Clube dos Clássicos Vivos

Vou continuar a participar, claro. Leitura de um clássico escolhido por votação de dois em dois meses. Grupo do Goodreads aqui.

 

A Volta ao Mundo em Livros

Também vou continuar a participar. Ler livros de escritores de várias nacionalidades, escolhidas por votação de três em três meses. Grupo do Goodreads aqui.

 

Um ano com a Jodi

Vou continuar também a participar em algumas das leituras deste projeto. Consiste em ler livros da Jodi Picoult em conjunto e ir discutindo ao longo de cada mês. Informações aquiaqui ou aqui.

 

Para além destes projetos, tenho também outros mais pessoais que vou tentar fazer. Aceito sugestões ou recomendações.

Ler pelo menos doze livros de escritores portugueses

Ler pelo menos quatro livros de fantasia

Ler mais livros sobre a 2ª guerra mundial

 

E vocês, quais são os vossos planos para 2018?

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.