Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.








BEDA #26: Livro Físico vs. E-Book vs. Audiobook

Sábado, 26.08.17

Sou uma leitora tradicional, prefiro e sempre vou preferir os livros físicos. Entrar em livrarias "só para ver" é um dos meus hobbies preferidos. Olhar para a estante recheada de livros é ótimo, não concordam?

No entanto, sinto que enquanto leitores nos devemos adaptar à evolução das técnicas de leitura e experimentar novos formatos. Se podemos optar por não o fazer? Óbvio. Se podemos não gostar? Claro que sim. Se os livros físicos vão acabar por causa dos e-books e dos audiobooks? Isso é um disparate. Grande.

Fui contra os e-books durante muito tempo e contra os audiobooks ainda mais tempo. Os e-books não são livros verdadeiros, os audiobooks nem sequer se lêem eram algumas das coisas que pensava. No entanto, a literatura é muito mais do que isso. O que interessa é conhecer os livros e conhecer os autores, a paixão pelos livros não se mede pelo formato de leitura que escolhemos.

Tive oportunidade de ler o meu primeiro e-book quando este me foi disponibilizado por uma editora. Afinal, gostei da experiência. Aproveito muitas vezes as pausas para lanche no trabalho para ler um bocadinho, por exemplo. Comecei várias vezes a deixar o livro pesado em casa e a levar um e-book no telemóvel "em caso de necessidade". 

Relativamente a audiobooks, tenho pouca experiência: nunca ouvi um livro inteiro. São difíceis de encontrar em português e ainda não me desenrasco assim tão bem a inglês. Pretendo passar a utilizá-los mais, encontram-se vários no Goodreads, por exemplo. Por outro lado, pode até ser uma boa forma de melhorar o meu inglês.

Hoje vou enumerar algumas vantagens que cada um destes formatos nos trazem. Apenas baseadas na minha opinião pessoal, claro.

 

 

Livros Físicos

 

 

  • Não há nada como entrar numa livraria ou numa biblioteca, virar as páginas, ler um bocadinho aqui e ali e acabar por ser conquistada por ele. E claro, trazê-lo para casa.
  • A sensação de ter o livro na mão, a textura das páginas, o cheiro a novo diferente para cada editora ou o cheiro envelhecido dos livros já desfolhados várias vezes. 
  • Ir criando a biblioteca pessoal, ter várias estantes tão cheias de livros que dá vontade de sorrir só de olhar. 
  • É mais difícil perder a concentração com livros físicos, não há a tentação da internet sempre a espreitar nem a possibilidade de "deixar de ouvir".
  • É também o único formato que é aceitável dar como presente, trocar por outro livro ou revender depois de ler.

 

 

E-books

 

 

  • São leves e fáceis de transportar para qualquer lado. Podemos levar 2 ou 20 livros atrás que o peso é o mesmo.
  • São mais confortáveis e ergonómicos. Nada de posições desconfortáveis e dores de costas. O tipo e tamanho da letra também pode ser adaptado à nossa medida.
  • São muito mais baratos e existem milhares de e-books gratuitos por aí.
  • Não se estragam na mala e duram para sempre. Podem ser sublinhados sem estragar.
  • Não é preciso marcador e a leitura é atualizada em todos os dispositivos. 
  • São muito interativos, podendo ter links funcionais p.e. para a página do autor, sites ou músicas citadas.

 

Audiobooks

 

 

  • Os melhores para quando não podemos usar as mãos ou os olhos. A conduzir ou a andar na rua, por exemplo. Claro que também há doidos que utilizam livros físicos a andar na rua, o que não aconselho.
  • Uma ótima forma de otimizar o tempo, já que não é necessário estar parado para ouvir um audiobook. Há quem os utilize enquanto faz as tarefas domésticas, o que não resulta com todos, claro. A concentração tem de existir.
  • Temos a certeza de perceber bem a pronúncia de certos nomes ou dialetos referidos.
  • Certamente perfeito para algumas leituras, p.e. as peças de Shakespeare.
  • Bons também para leituras intimidantes, quer seja pelo seu tamanho ou por outro motivo qualquer.

 

Concluindo, estes três formatos adaptam-se a alturas diferentes e a pessoas diferentes. Não há problema nenhum em preferir qualquer um deles, o importante é que o gosto pela literatura perdure.

Não há um formato superior aos outros, apenas leitores que preferem este ou aquele. Aquele com que cada um se sentir confortável será sempre a escolha mais acertada.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)

6 comentários

De Charneca em flor a 26.08.2017 às 21:56

Eu continuo a preferir os livros físicos mas também utilizo os ebooks. Por exemplo para levar em viagens porque é mais leve levar o tablet do que os livros físicos.

De Daniela a 28.08.2017 às 23:41

Comprei um e.reader há pouco tempo, comecei a ler e-books este ano no telemóvel e tablet e gostei :)

De -Cristina Gaspar- a 28.08.2017 às 11:32

Eu adoro livros físicos, cheirá-los, sentir a folha por entre os dedos, arrumá-los nas estantes, olhar para eles é das coisas que mais prazer me dá! Mas este ano comecei a ler em e-book e confesso que comecei a gostar, pela praticalidade. Livros grandes ou que tenho receio de estragar ficam em casa e disfruto da leitura na mm. Ultimamente tenho sempre a versão física e em e-book. Viagens de avião, idas à praia ou pic-nics, ... são alturas ideais para ler e-book. Os audio-books ainda não me suscita interesse, tentei um ou dois, mas perdia sempre a atenção, ... quem sabe um dia destes?! ;) mas nada substitue um livro físico e uma biblioteca/livraria!!

De Daniela a 28.08.2017 às 23:39

Também prefiro os livros físicos, acho que são as preferências de praticamente todos os leitores :p

De Jardim de Mil Histórias a 28.08.2017 às 17:40

Olá Daniela,
Já experimentei todos os tipos e continuo a preferir o livro físico. Posso mudar, mas por enquanto nada é melhor do que folhear os livros.
Beijinhos e boas leituras

De Daniela a 28.08.2017 às 23:36

Também continuo a preferir os livros físicos :) Mas é bom ter outras opções

Comentar post






Leituras do Momento:






Opiniões em Breve: