Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.








BEDA #18: A ler...

Sexta-feira, 18.08.17

 

Autor: Stendhal

Editora: Civilização Editora

Data de Publicação: Dezembro de 2013

Nº de Páginas: 480

Coleção: Novos Clássicos

 

Bonito e ambicioso, Julien Sorel está determinado a desprender-se das suas origens humildes camponesas e a fazer algo da sua vida, adotando o código de hipocrisia por que a sua sociedade se rege. Julien acaba por cometer um crime movido pela paixão, por princípios ou por insanidade, que será o seu fim. O Vermelho e o Negro é uma imagem vívida e satírica da sociedade da Restauração francesa após Waterloo, carregada de corrupção, ganância e tédio. O retrato complexo e compreensivo de Julien, o explorador frio cuja campanha maquiavélica é enfraquecida pelas suas próprias emoções, torna-o a mais brilhante e mais humana criação de Stendhal, e um dos maiores personagens da literatura europeia.

 

20524762_E1H4N.png

O-Barão-de-Lavos-page-001.jpg

 

Autor: Abel Botelho

Data de Publicação: 1891

Nº de Páginas: 317

Coleção: Patologia Social

 

Publicado em 1891, o Barão de Lavos é um dos romances da série intitulada “Patologia Social” em que Abel Botelho - professado seguidor do chamado neo-realismo - explora, expõe e põe em claro, fenómenos sociais do final do século XIX até então ignorados pela sociedade ou romantizados de uma forma não credível. O Barão de Lavos é o primeiro livro dessa série que abre logo com temas inéditos na literatura: A homossexualidade e a pedofilia.
Há quem eleve esta obra como sendo a primeira obra a abordar o tema da homossexualidade na literatura portuguesa. Outros preferem fazer apontar para o facto que o tema em destaque é a crítica à pedofilia e que a obra de Mário de Sá-Carneiro “A Confissão de Lúcio”, escrita mais de 20 anos depois, é que é a primeira a incluir o tema da homossexual objetivamente. É uma discussão com pontos de validade para ambas as reivindicações. Por um lado é um facto de que o tema da homossexualidade está presente no Barão de Lavos; acontece que no século XIX a homossexualidade era indissociável da pederastia e da pedofilia, uma das razões pela qual era fortemente criticada e perseguida. Por outro lado a obra é uma crítica à homossexualidade em si, vista como uma doença patológica e uma degeneração do individuo que só pode ter como fim a sua própria destruição. É, no fundo, uma obra que trata o tema sob o ponto de vista de um objetor da homossexualidade e que a
associa à pedofilia. Mário de Sá-Carneiro, por seu lado, como homossexual que era, aborda o tema expondo o seu lado pessoal, ainda que sob uma vertente romantizada e sem fazer qualquer tipo análise de fundo. Posto isto, o rótulo de “1º livro português gay” caberá à escolha de cada um.
Quando foi publicada pela primeira vez a obra de Abel Botelho causou grande o escândalo pelo tema que abordava. Para a sociedade da altura, profundamente conservadora, monárquica e dominada pelo clericalismo tais temas eram tabus. No entanto, entre a admiração dos críticos literários e a reprovação, dada a crueza das suas descrições, a obra foi sancionada pela Igreja, precisamente por causa do tema, já que retratava a homossexualidade como uma aberração pecaminosa que tinha como causas a origem ilegítima do barão, fruto de uma traição conjugal e a degradação moral da sociedade lisboeta da época.
A obra é hoje encarada como um produto do seu tempo, estando no mesmo nível de paridade literária, em termos de conteúdo, como o “Lolita” do escritor Vladimir Nabokov ou o “Morte em Veneza” de Thomas Mann.

Goodreads - Facebook - Instagram

Autoria e outros dados (tags, etc)





Leituras do Momento:






Opiniões em Breve: